Eu Sei em Quem Tenho Crido

Posted: 27 de Abril de 2010 by mundomaranatha in Crer

Por Niels-Erik Andreasen

Em 1915, com 87 anos de idade, Ellen G. White faleceu em sua casa, em Elmshaven, Deer Park, Califórnia. As últimas palavras registradas como tendo sido proferidas por essa serva de Deus foram: “Eu sei em quem tenho crido.”

Quão bem conhecemos nós o Deus em quem cremos? A pergunta é importante e muito pessoal. Creio que podemos conhecer a Deus, mas conhecer a Deus não significa que nós O compreendemos. Ter um profundo conhecimento pessoal de Deus significa que nos sentimos seguros em Sua presença e buscamos Sua companhia. Deixe-me falar sobre três coisas que cheguei a conhecer de Deus por meio de minha própria experiência.

Deus é meu Criador

Primeiro, eu conheço a Deus como meu Criador. A criação é um evento estranho, incomum e maravilhoso. A própria Bíblia admite isso. Ele fez o mundo por Sua palavra. Nós não podemos fazer o mesmo. A criação é um milagre. Ela aparece diante de nossos olhos já na primeira página da Bíblia e sem qualquer introdução. Assim ela é mostrada no Livro Santo: “No princípio criou Deus.” Não admira que muitos, mesmo alguns cristãos, têm dificuldade de aceitar a criação como o meio de feitura do mundo e de tudo o que há nele. Há, de fato, muitas interrogações.

Para ajudar a responder algumas dessas perguntas, nossa igreja criou o Geoscience Research Institute (“Instituto de Pesquisa Geocientífica”). Já participei de duas viagens de estudo de campo. Elas foram agradáveis e informativas. Todavia, trataram principalmente das evidências de uma catástrofe grande e terrível — o dilúvio. Entre as palestras, porém, eu tirava um tempo para contemplar o mundo de Deus — o mar em baixo e as estrelas em cima. Comecei a me sentir seguro na presença do meu Criador e a procurar Sua companhia mais intensamente do que antes.

Observe ainda outra história da criação, desta vez sob a perspectiva de uma criança. Em Salmo 8:1-5, duas pessoas estão conversando — um pai ou mãe e uma criança. Talvez fosse o próprio salmista, o rei Davi, e um de seus filhos, Absalão ou Salomão. Eles estavam caminhando, certa noite, pela cobertura do palácio. Olhando para cima, o filho pergunta: “Pai, quantas estrelas cintilantes existem? E, papai, quem as pôs lá? Veja, uma está caindo!” Foi nesse momento que o salmista escreveu: “Dos lábios das crianças e dos recém-nascidos suscitaste louvor” (NVI, nota de margem). E ainda: “Quando contemplo os Teus céus, obra dos Teus dedos, a lua e as estrelas que ali firmaste, pergunto: Que é o homem, para que com ele Te importes?” (NVI). Note a expressão “obra dos Teus dedos.” Para o salmista, a obra criadora de Deus é tão simples quanto o trabalho de um dedo; simples quanto uma brincadeira de criança!

As crianças conhecem a Deus instintivamente porque têm olhos grandes e curiosos que estão sempre observando. Elas sabem o que significa estar seguro na presença de seus pais, se elas realmente têm bons pais. Portanto, elas nos ensinam como nos sentir seguros na presença de Deus e como procurar Sua companhia.

Você pode pensar, porém, que isso é muito simplista. Não somos mais crianças. Como podemos conhecer nosso Criador sem primeiro resolver todas as questões acerca do mundo que Ele criou — questões acerca dos fósseis primatas encontrados na África, das eras do gelo na Escandinávia, da coluna geológica, dos dinossauros e assim por diante?.

Concordo que essas questões são difíceis e, francamente falando, eu não tenho encontrado respostas satisfatórias a todas elas. Mas então me lembro do Salmo 8 e penso numa criança parada na esquina, esperando para cruzar uma rua de tráfego intenso. Ela estende o braço, apega-se à mão de seu pai e então se sente segura. É assim que eu me relaciono com meu Criador. É claro que há questões e problemas. Há mistérios no mundo. Mas quando tomamos Sua mão, sentimo-nos seguros.

Quando conhecemos a Deus desse modo, confessamos sem hesitação ou reserva: Creio em Deus Pai, o Todo-Poderoso, Criador dos céus e da Terra. Eu sei em quem tenho crido. Sinto-me seguro na presença de meu Criador e busco Sua companhia.

A vontade de Deus para minha vida

Segundo, eu conheço a Deus pela aceitação de Sua vontade para minha vida.

A vontade de Deus para nós é nosso bem-estar e a vontade divina está revelada em Sua lei. Isso também pode parecer muito simples; apesar disso, a vontade de Deus é uma coisa estranha para muitas pessoas. Para alguns de nós, a vontade de Deus é estrita, opressiva, legalista, dura e crítica. Por essa razão, até mesmo alguns cristãos não buscam conhecer seriamente a vontade de Deus e obedecê-la seriamente. Em vez disso, eles tentam evitá-la e assim seguir a própria vontade.

Dentro da curta história da Igreja Adventista do Sétimo Dia, vejo duas fases distintas em nosso ensino com relação à vontade de Deus e Sua lei.

Fase um: Logo no início, sem querer, conseguimos afastar muitas pessoas da vontade de Deus expressa em Sua lei. Ellen White falou dessa ênfase errada em 1888, quando nos instruiu acerca do relacionamento entre lei e graça. A princípio, ouvimos e mudamos, mas então nos esquecemos do que havíamos aprendido.

Falávamos da lei de Deus da mesma forma como da vinda do juízo de Deus, intimidando assim nossos ouvintes. Alguns de meus alunos costumavam dizer: “Se no juízo Deus vai levar em consideração meus pecados contra Sua lei, então eu não vou conseguir. Desisto. Eu não quero nem ouvir mais sobre a lei de Deus.” Minha tarefa era mudar o seu pensamento.

Fase dois: Cerca do final do século vinte, como adventistas, começamos outra vez a enfatizar a graça de Deus e a justiça pela fé. Ensinamos corretamente que a graça precede a tudo o mais em nosso relacionamento com Deus, e uma vez que a aceitemos, nós O conheceremos e também Sua vontade para nós. Mas, essa descoberta maravilhosa não restabeleceu a lei de Deus como guia em nossas vidas. Na verdade, parece que a lei de Deus é mencionada hoje em dia muito menos do que antes, mas por razões diferentes — não porque tenhamos medo dela, mas porque nós a deixamos de lado e ignoramos seu valor.

Pensando em tudo isso, cheguei a duas conclusões. Primeira: em todas as passagens que falam do juízo, especialmente nos escritos dos profetas, Deus não julga Seu povo por ter falhado em obedecer a Sua lei, mas por ter falhado em permanecer leal à Sua aliança. Miquéias 6:6-8 fala do fracasso de Israel e então passa a enumerar as muitas maneiras pelas quais Israel poderia haver sido mais obediente. “Deveríamos nós oferecer mais ofertas queimadas, óleo e sacrifícios?”, perguntou o povo. “Não!” Foi a resposta do Senhor. “Eu apenas peço três coisas (v. 8): pratiquem a justiça, amem a fidelidade e sejam humildes, ou seja, sejam leais para comigo.” É isso o que Deus quer.

Assim eu explicava aos meus alunos que o Juízo é um importante ensino da Bíblia, mas quando nossos nomes forem passados na corte celestial, aquilo que Deus irá perguntar não é quão bons, mas quão leais temos sido. É isso o que realmente mais importa para Deus. Na verdade, não são os nossos pecados que nos deixam numa situação difícil no Juízo, mas o desdém pela corte é que nos põe em risco diante dEle. Quanto aos nossos pecados, Deus sabe que pecamos, mas Ele tem o remédio para o pecado — perdão (Miq. 7:19). Mas o que pode Deus fazer com relação à deslealdade de nossa parte? O que pode Ele fazer quando Lhe viramos as costas? É isso que importa no Juízo. Voltamos-Lhe as costas em sinal de desrespeito para com a corte, ou vimos nós corajosamente perante Seu trono em busca de aceitação e perdão por meio de Jesus Cristo, nosso Amigo e Advogado? É isso o que significa lealdade no julgamento.

Minha segunda conclusão é que a lei de Deus se destina a mostrar-nos como agir e viver com mais responsabilidade. A lei de Deus consiste em dez mandamentos divididos em duas tábuas. Vamos começar pela parte mais fácil, a segunda tábua, que ensina como nos relacionarmos com os outros. Não cobice aquilo que pertence a outro; esteja satisfeito com o que você tem. Não minta para o seu próximo; diga-lhe a verdade. Não tome para si aquilo que é dos outros. Respeite a esposa de seu amigo; não cometa adultério. Não mate ninguém; você não deve tirar a vida dos outros. “Mas, como podemos aprender a viver em harmonia com essas exigentes proibições?”, podemos perguntar. A resposta está no mandamento positivo da segunda tábua, o qual aponta para o cerne de todos os relacionamentos: honre seu pai e sua mãe. É aqui que tudo começa, em casa com pai, mãe e filhos. Se as coisas vão bem em casa, então elas vão bem na vizinhança, no país e no mundo. A vontade de Deus não é nenhum mistério, nem algo que cause medo. Ela começa por um bom e seguro lar.

Mas, perguntamos: Quem nos deu esses princípios e porque deveríamos atentar para eles? A resposta é encontrada na primeira tábua — os quatro mandamentos que tratam de nosso relacionamento com Deus. O Autor desses mandamentos não é qualquer um. Eles vêm de Deus e representam Sua vontade. Quem é esse Deus? Não podemos vê-Lo ou sequer fazer uma imagem dEle. Bem, será que posso falar com Ele? Sim, de alguma forma, em oração e meditação, mas não usando Seu nome de modo leviano. O que então devemos fazer para conhecermos esse Deus e Sua vontade? Isso nos leva ao mandamento positivo correspondente situado na primeira tábua, o quarto. Ele contém a surpreendente mensagem: o Doador da lei, que estabeleceu esses elevados padrões éticos para nós e que exige tanto de nós, começa oferecendo-nos uma dádiva — um dia à parte, um tempo sagrado, um tempo de repouso. Esse é o dia no qual aprendemos a conhecer a Deus na segurança de Sua presença. Uma vez que captemos o profundo significado do quarto mandamento, todas as questões anteriores são resolvidas. Nós O conhecemos ao sentir-nos seguros em Sua presença e ao Lhe buscarmos a companhia no Seu dia (Isa. 58:13-14).

Deus Me Ama

Terceiro, eu conheço a Deus porque Ele me ama.

“Porque Deus tanto amou o mundo que deu o Seu Filho Unigênito, para que todo o que nEle crer não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16, NVI). Quando jovem, impressionava-me muito saber que nosso Senhor e Salvador teria dado Sua vida mesmo por um único pecador. Além disso, Paulo diz que até podemos entender se alguém estiver disposto a morrer por um amigo, mas Cristo deu Sua vida por nós quando ainda éramos inimigos (Rom. 5:7-8). Temos de pensar com bastante cuidado na palavra amor, especialmente porque ela expressa a terceira dimensão de nosso conhecimento de Deus.

Antes de tudo, o amor de Deus não é motivado por emoções ou paixões. Seu amor é um princípio. É isso que precisamos saber acerca dEle e quando alcançamos esse conhecimento sentimo-nos seguros em Sua presença e buscamos Sua companhia. Ou seja, amamos a Deus da mesma maneira. Alguns cristãos desenvolvem um relacionamento de amor meramente emocional, passional, com Deus. Nossos jovens, e até mesmo crianças, são às vezes enredados pela crença de que o cristianismo é simplesmente uma questão do coração. “Dê seu coração a Jesus”, nós os ensinamos desde a mais tenra idade. Mas, permanecerá forte e constante o seu amor para com Deus à medida que eles crescerem?

Uma das experiências mais tristes que tive é ver um jovem e um não tão jovem cristão substituir seu apaixonado amor por Deus, por uma certa aversão a tudo aquilo que é religioso e cristão. O profeta Oséias também fala dessa experiência quando se queixa de que o amor de Israel é como o orvalho da manhã. Evapora diante dos primeiros raios de Sol (Oséias 6:4). Então, a fim de explicar o generoso amor de Deus, o profeta introduz uma palavra especial para amor, hesed, que significa amor baseado em princípio. Hesed poderia ser traduzido como “amor que perdura”, “amor que guarda a aliança,” ou “amor eterno.”

Todos temos algo a aprender sobre o amor de Deus. Ele nos ama por princípio, mas, diferente do nosso, Seu amor nunca perde a intensidade. Ele sempre permanece forte e cálido. Deus é Alguém que nos ama sempre. Ele é Alguém cujo amor é firme, não importando as circunstâncias. Ele é Alguém que ama mui diferentemente do modo como o mais amoroso entre nós o faria.

É isso o que Jesus nos explicou na parábola do filho pródigo que voltou para o seu pai, mãe e irmão (Luc. 15). Rembrandt, pintor holandês, retratou essa cena num famoso quadro que se encontra no Museu Nacional do Eremita, em São Petersburgo, Rússia. O teólogo Henri Nouwen escreveu um livro sobre essa pintura do filho rebelde que finalmente retorna para casa. O ponto central na parábola, tanto na pintura quanto no livro, é que, contrariando todas as expectativas, Deus o Pai amou a esse jovem com um amor de mãe e com um amor de pai. Esse ponto incomum está implícito na parábola de Jesus onde ambos — pai e mãe — fazem algo para demonstrar seu amor ao filho que volta ao lar. O pai veste o filho com um manto e a mãe lhe prepara um banquete. Isso é mostrado claramente na pintura de Rembrandt e na interpretação de Nouwen. Rembrandt pintou as mãos do pai nos ombros do filho — uma reproduz a mão forte de um homem e outra se parece com a mão gentil de uma mulher. E colocou a figura de uma mulher mais ao fundo para indicar que ela também estava ali. É desse modo que Deus ama a todos os Seus filhos hoje. Ele ama a você e a mim, não importa a idade, o sexo, a raça, a religião ou a procedência geográfica. Todos nós somos Seus filhos!

Nos momentos difíceis não é fácil manter em nossa mente o conhecimento de Deus com nitidez. Mas, precisamos estar sempre centrados nele. Nos tempos de calamitosa destruição e catástrofe, à medida que este mundo ruma para o seu final, precisamos ter a certeza de que Ele é o nosso Criador e o Criador do mundo todo. Quando a lei e a ordem parecem não mais existir, os injustos são arrogantes e os inimigos de Deus pecam a olhos vistos, precisamos conhecer a vontade de Deus e Suas exigências éticas, porquanto apenas elas podem trazer paz à nossa vida, família e sociedade. Quando o amor se transforma em ódio ou se torna irrelevante por omissão ou descuido, e aqueles com quem nos relacionamos se tornam nossos inimigos, precisamos conhecer o Deus que ama sempre e incondicionalmente a todos os Seus filhos. O amor de Deus é incondicional. Creio que é isso o que Ellen White tinha em mente quando pronunciou suas últimas palavras: “Eu sei em quem tenho crido.”

…………………………………………………………………………………………..

Niels-Erik Andreasen (Ph.D., Universidade Vanderbilt) é o presidente da Universidade Andrews. Este artigo está baseado num sermão devocional pregado durante o recente Concílio Anual da Associação Geral dos Adventistas do Sétimo Dia. Seu endereço: Andrews University, Berrien Springs, Michigan 49104, USA.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s