A Farsa da Comparação do DNA do Homem com o do Chimpanzé

Posted: 9 de Julho de 2010 by mundomaranatha in Criacionismo
Tags:

Quantcast

Tem sido veiculada, nos últimos tempos, até com uma certa insistência pela mídia, a informação de que o DNA do homem e do chimpanzé diferem, em conteúdo, apenas por uma pequena margem de 2%, e que isto seria uma prova incontestável de que homens e chimpanzés teriam evoluído a partir de um tronco comum em tempos mais recentes. Veja, na figura abaixo, a informação a esse respeito publicada pela revista ISTOÉ de 02 de junho de 2004, p. 102.

ISTOÉ

Será que essa informação a respeito desses DNAs é mesmo verdadeira? E se fosse, esse fato teria mesmo essa amplitude, de modo a permitir a conclusão de que homens e chimpanzés seriam, no contexto da evolução, parentes próximos?

Para entender bem essa questão, precisamos de algumas informações relacionadas com o Projeto Genoma. Lembramos, então, que um genoma é o DNA inteiro de um organismo, incluindo os seus genes, que carregam a informação para fazer todas as suas proteínas. Estas, por sua vez, determinam a sua aparência, como ele combate infecções e, possivelmente, como se comporta.

DNAO DNA é constituído de quatro bases: A (adenina), G (guanina), C (citosina) e T (timidina), que se repetem ao longo de sua estrutura. É a ordem dessas bases que determina se um dado organismo é humano ou de outra espécie, daí o interesse dos cientistas no DNA.

O Projeto Genoma tinha como objetivo identificar os aproximadamente 30 mil genes presentes no DNA humano e determinar a seqüência dos 3 bilhões de pares de bases que o compõem. Estruturado a partir de dois consórcios laboratoriais, o projeto teve início em 1990 e estava previsto para ser concluído no ano de 2005. Foram necessários, entretanto, apenas 13 anos para que o trabalho fosse concluído.

Este projeto reuniu um número imenso de pesquisadores de vários laboratórios e universidades em cerca de pelo menos 18 países e consumiu, obviamente, muitos bilhões de dólares. Apesar disso, é agora que começa o trabalho maior para entender os resultados obtidos. É como se tivéssemos identificado todas as letras de um livro, sendo agora necessário entender o que elas juntas significam, isto é, qual a função de cada um desses 30 mil genes e da ordem desses 3 bilhões de pares de bases.

Acontece que faz sentido perguntar de onde vem a conclusão de que o DNA dos chimpanzés coincide com o dos seres humanos em 98% de sua extensão, se um trabalho da magnitude do projeto genoma humano ainda não foi realizado para a espécie dos chimpanzés! De onde vem, então, essa conclusão?

Na verdade, este resultado é uma generalização baseada na similaridade entre seqüências de aminoácidos de umas 30 a 40 proteínas básicas presentes em seres humanos e também nos chimpanzés, por um método que compara apenas essas poucas proteínas, denominado “hibridização do DNA”. No texto da revista ISTOÉ, no início deste artigo, encontramos a informação de que a porção escolhida para comparação entre os DNA’s do homem e do chimpanzés foi o cromossomo 21, responsável por doenças mentais, e o equivalente animal, o cromossomo 22.

Em outras palavras, o genoma humano é conhecido em toda a sua extensão, mas o dos chimpanzés não. Como pequenas partes do DNA dos chimpanzés já foi pesquisada, os cientistas comparam essas pequenas porções com porções análogas do DNA humano, extrapolando o resultado obtido para os DNAs em toda a sua extensão. Naturalmente, essas porções de DNA terão que apresentar alguma semelhança não só com chimpanzés, como também com outros animais que ingerem o mesmo tipo de alimento e, portanto, devem ter enzimas digestivas muito semelhantes, bem como outras particularidades, o que não significa que esses valores devam se estender para o restante do DNA e, muito menos, que sirvam de indicação de evolução a partir de um ancestral comum.

Esse tipo de extrapolação é um erro grosseiro dos evolucionistas para fazer valer suas idéias e só mostra que eles precisam conhecer melhor os métodos de que a ciência se vale para caminhar, sobretudo a matemática, na parte de estatística e teoria de probabilidades. Proceder desse modo é como equivalente a consultar uma pequena parcela da população a respeito de alguma preferência, e depois estender o resultado obtido para a população toda, o que, obviamente, não tem o menor fundamento científico.

NEW SCIENTISTApesar disso, não são os mais leigos em ciência que cometem esse tipo de erro, mas cientistas conceituados, que depois publicam seus artigos em revistas especializadas, como a New Scientist, que trouxe esse assunto até como matéria de capa, com o artigo “Genesis – The one percent that made us human” (Gênesis – O 1% que nos fez humanos) em sua edição de n° 2186, de 15 de maio de 1999.

Como podemos explicar esse comportamento? Certamente não a partir de uma suposta desinformação, ou de falta de conhecimento. Afinal, para se chegar aos escalões mais altos da ciência é preciso percorrer um longa jornada de estudo e pesquisa. Só mesmo a determinação de validar a teoria da evolução é que pode explicar esse comportamento, uma vez que evidências da evolução não podem ser encontradas na natureza.

Na verdade, a situação é ainda mais crítica, porque mesmo que a diferença entre os DNA’s do homem e dos chimpanzés fosse de apenas 2%, isso não significaria ancestralidade de uma espécie em relação a outra. Similaridades, sejam elas no campo da anatomia ou da genética molecular, não provam evolução alguma ou ancestralidade de uma espécie em relação a outra. Evolucionistas sabem disso e a prova é o conceito de evolução convergente, desenvolvido para explicar similaridades que eles supõem terem ocorrido independentemente, e não por uma relação de ancestralidade entre as espécies envolvidas. Além disso, similaridades são confortavelmente absorvidas também pelo modelo criacionista, de modo que, se forem citadas como evidências do modelo evolucionista, terão que ser citadas também como evidências do modelo criacionista, em nada contribuindo, portanto, para a solução do confronto entre o evolucionismo e o criacionismo.

………………………………………………………………………………………………………

O Prof. Christiano P. da Silva Neto é professor universitário, pós-graduado em ciências pela University of London, estando hoje em tempo integral a serviço da ABPC – Associação Brasileira de Pesquisa da Criação, da qual é presidente e fundador. Autor de cinco livros sobre as origens, entre os quais destacam-se Datando a Terra e Origens – A verdade Objetiva dos Fatos, o Prof. Christiano tem estado proferindo palestras por todo o país, a convite de igrejas, escolas e universidades.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s