Se eu fosse o Diabo

Posted: 14 de Agosto de 2010 by mundomaranatha in Ponto de vista

Quantcast

/

Artigo do historiador da Igreja Adventista do 7° Dia: GEORGE KNIGHT

George Knight

Adventismo, às margens do século vinte e um, está onde nunca esperou estar na Terra. Ele tem se expandido além dos sonhos mais ousados de seus fundadores e continua a se expandir. Quando entrei para a igreja em 1961, existiam mais de 1 milhão de adventistas em todo o mundo.

Este número aumentou para mais de 2 milhões em 1970, 3,5 milhões em 1980, perto de 7 milhões em 1990 e ao redor de 11 milhões em 2000. Segundo a taxa de crescimento atual, podemos esperar encontrar 20 milhões de adventistas em 2013 e 40 milhões entre 2025 e 2030, se chegarmos até lá. Que mudança do ano de 1848, quando existiam cerca de 100 fiéis. Para eles, a visão inspirada de Ellen White de que o adventismo seria um dia como raios de luz regando o planeta, deve ter parecido loucura. Se algum deles tivesse predito 11 milhões de adventistas, os outros como Sara, esposa de Abraão, provavelmente teriam rido. Existe um senso de que o impossível aconteceu. Aqueles pioneiros eram poucos, pobres e fracos. Já a igreja hoje é composta por muitos, com a maior presença na história entre o protestantismo ao redor do mundo, dispondo de bilhões de dólares em meios e afins.

Entretanto, este crescimento tem trazido complicações e desafios. As coisas eram simples nos primeiros dias da Igreja Adventista. Todos falavam a mesma língua, pertenciam a uma mesma raça, viviam em uma mesma área (nordeste dos Estados Unidos) e haviam sido criados em uma mesma cultura em que se tinha as mesmas esperanças e se valorizava as expectativas.

No ano 2000, o adventismo está longe de ser simples. Penetrou mais de 200 nações, utiliza mais de 700 línguas e há grande variação em cultura e expectativas. O adventismo tem hoje reservas financeiras e de trabalhadores qualificados sem paralelo, mas ainda assim encara desafios sem precedentes para continuar a missão. Felizmente, nosso Deus é o Deus do impossível. Para o melhor ou pior Ele escolheu usar instrumentos humanos e falhos a fim de finalizar Sua obra.

Se eu fosse o diabo ( um dos meus jogos favoritos), concentraria todas as minhas energias no elemento humano, que trabalha no plano de Deus enquanto Sua igreja procura caminhar do presente ao futuro. Na verdade, se eu fosse o diabo, planejaria minha estratégia com muito cuidado. Eu formularia um plano muito bem estruturado para frustrar a igreja na realização da missão.

A Próxima Geração

A primeira tarefa na minha agenda seria concernente a geração jovem emergente na igreja. Se eu fosse o diabo, concentraria todas as minhas energias fazendo com que a igreja rejeitasse as idéias e planos da nova geração.

E isso não seria tão difícil já que na maioria dos lugares eles não se vestem, cantam ou pensam como os membros mais velhos. Quando conseguir que os de mais idade protestem contra os violões, farei ao mesmo tempo com que esqueçam que os adventistas do passado não permitiam nem sequer órgãos em suas igrejas. Providenciaria também para que os mais velhos se esquecessem que Jesus usou estórias de ficção como a do homem rico e Lázaro, e que quando Ellen White usou o termo drama, se referia ao que chamamos hoje de novelas. Eu certamente encorajaria os membros mais velhos a encarar esse assunto como um grande mal ao invés de simples parábolas. Faria a Igreja Adventista esquecer que seu movimento começou basicamente com pessoas jovens cujas idéias eram criativas e de inovação.

O diabo não é burro. Ele sabe que se puder desencorajar nossos jovens a abraçar a liderança da igreja, será o fim dela. Para alcançar a geração jovem, devemos aprender a nos comunicarmos à maneira deles, tal como Jesus usou a linguagem de Seus dias, e assim também o fez Tiago White. Se a igreja insistir em usar a linguagem do século dezenove para alcançar os jovens do século vinte e um vai acontecer o mesmo ocorrido com os Amishes (comunidade tradicional americana que preserva valores religiosos e sociais dos seus ancestrais), que mantiveram suas formas e tradições porém perderam a noção de seu objetivo no mundo.

A igreja precisa reconhecer que as novas gerações não pensam como nós que nascemos nos anos 40 ou antes A lealdade a marca acabou . O mundo pós Watergate, pós Vietnam, e pós-moderno também tende a ser pós denominacional. A igreja não pode mais esperar lealdade apenas porque as pessoas nasceram adventistas ou simplesmente porque elas acham que o adventismo tem a verdade. Ao contrário, a igreja precisa mostrar que é exatamente o que diz ser e que está usando seus recursos e fundos fielmente.

Esse não é um problema pequeno. Os jovens da igreja, são sua maior força, e os jovens de fora são o seu campo missionário presente e futuro. Os jovens são a maior oportunidade da igreja e, ao mesmo tempo seu mais sério desafio. A igreja deve formular planos para alcançar as mentes jovens e ganhar seu apoio, afinal, eles são a igreja do futuro.

Pensando Pequeno

Se eu fosse o diabo, faria com que a igreja pensasse pequeno. Esta tática é semelhante àquela de frustrar os jovens, porque os jovens pensam ousadamente. Conheço adventistas que podem apontar 110 razões para quase tudo que seja proposto não possa ser feito. Eles freqüentemente baseiam seus argumentos em versos bíblicos e citações de Ellen White usados fora de contexto.

Tais apóstolos do negativismo aparentemente nunca leram Testemunhos para a igreja, volume 6, página 476: “Novos métodos e planos surgirão oriundos de novas circunstâncias. Novas idéias virão de novos obreiros que dão a si mesmos pela obra… Eles receberão planos traçados pelo próprio Senhor.” Novos obreiros são freqüentemente obreiros jovens.

Essas pessoas precisam aprender a lição do besouro. É aerodinamicamente impossível para um besouro voar, mas como ele não sabe disto, voa de qualquer maneira.

Pensar grande no adventismo significa batizar 50 pessoas em 2001, e não 25; significa chegar aos 20 milhões em 2004 e não 2013 . Pensando pequeno a igreja permanecerá neste planeta ainda por um longo tempo.

Lembro-me do meu amigo no Havaí, Arnold Trujillo. Ele tem presentemente 29 igrejas e grupos em funcionamento com 5.500 membros, e declarou publicamente que seu alvo é ter 10.000 pequenos grupos de 12 membros cada em 2005 e já está trabalhando arduamente para esta expansão. Isto é visão ou ilusão? Pode ser que estes conceitos estejam quase que se confundindo. Porém nunca esqueça que Jesus disse aos discípulos para levar o evangelho a todo o mundo e essa também foi a tarefa impossível com a qual se depararam nossos ancestrais no adventismo. O que precisamos é termos fé e meditarmos sobre a magnitude da chuva serôdia. Como podemos pensar grande e melhor utilizar nossos recursos para tornar nossos sonhos realidade?

Se eu fosse o diabo, faria as pessoas acreditarem que existe somente uma maneira de fazer as coisas, e que todos tem que fazê-las da mesma maneira. A forma de culto por exemplo. Alguns anos atrás surgiu um clima de tensão na Divisão Norte Americana a respeito do que foi chamado culto celebration. Eu não sei muito bem o que é culto celebration, mas, uma coisa sei: Posso dormir durante a invocação do culto divino e acordar na bênção final, e ainda assim dizer tudo o que aconteceu durante o mesmo.

A igreja precisa levar em conta que, como disse Ellen White, “Nem todas as mentes são alcançadas através dos mesmos métodos.” Os estilos de culto por exemplo estão intimamente ligados à classe socioeconômica das pessoas. O que alcança uma comunidade de classe média alta, pode não ter o mesmo êxito com os Pentecostais, Anglicanos, Ortodoxos ou Islâmicos. Temos que ter métodos que alcancem a todos os tipos de pessoas. O adventismo não necessita de apenas de um ou dois tipos de culto, mas de 50. Um outro jeito de dizer isso é que se todos na igreja parecem comigo, nós não estamos indo muito longe na pregação do evangelho.

Falamos sobre formas de culto. O mesmo se aplica ao evangelismo. Nosso Deus criou variedade em todos os lugares. Devemos nos mover além dos padrões e alcançar todos os filhos de Deus. Se quisermos atingir até aqueles mais diferentes de nós mesmos, devemos desenvolver métodos e procedimentos bem diferentes dos que já temos.

Novas Tecnologias

Se eu fosse o diabo, faria desacreditada a importância de novas tecnologias para a finalização da obra. A tecnologia avançada tem grande poder tanto para o bem como para o mal. Freqüentemente temos perdido este campo para o diabo. H. M. S. Richards me disse uma vez que tinha que discutir com os irmãos todos os dias, pois o rádio na década de 1930 era novidade, considerado muito radical, “um desperdiço do dinheiro do Senhor.”

Atualmente, dispomos de tecnologias sofisticadas para espalharmos a mensagem, tais quais Richards jamais sonhou. Hoje como nunca, necessitamos de uma geração com o espírito de H. M. S. Richards, porém com imaginação do século vinte e um.

Antes de encerrar este tópico, gostaria de confessar que inicialmente achei a idéia da NET uma loucura. Quem iria à igreja para assistir a um pregador através de uma tela? Estou feliz por ter me enganado. A NET colocou os adventistas no topo da comunicação mundial. Quantas outras idéias estão ainda por serem descobertas? Como melhor poderemos utiliza-las?

Envolvimento Leigo

Se eu fosse o diabo, faria dos pastores e administradores o centro do trabalho da igreja. Deve ter sido do diabo a idéia de que só o pastor deve pregar, dar estudos bíblicos, ser o principal ganhador de almas e tomar todas as decisões pela igreja.

Devemos ver a igreja como bem mais do que um centro de entretenimento para santos. Precisamos ter mais pastores interessados em treinar os conversos. Se esperarmos que apenas os pastores ganhem almas a igreja vai permanecer na terra mais tempo do que a própria eternidade. O desafio é criar uma geração de pastores e administradores adventistas que se tornem uma equipe competente para capacitar pessoas a usarem seus talentos no trabalho de alcançar o mundo. Os pastores precisam treinar pessoas, e não simplesmente, como as galinhas, colocar seus filhotes embaixo de suas asas, aonde estarão seguros.

Al McClure foi mencionado como tendo dito, que qualquer igreja que em 3 anos não gere outra igreja, deve perder seu pastor. Se o velho McClure não disse isto, ele devia. O adventismo precisa definir os passos necessários para desenvolver o lado capacitador do pastor.

Se eu fosse o diabo, subestimaria a importância da congregação local. Uma das grandes necessidades do adventismo é a manutenção de congregações locais vibrantes. Uma congregação saudável não é um grupo de indivíduos independentes entre si, mas uma unidade de crentes alcançando a comunidade ao redor .

A tarefa da igreja no mundo, através da Conferência Geral é coordenar fundos e pessoal para espalhar a mensagem de Cristo a todos os cantos do planeta. Entretanto, o congregacionalismo, como forma de organização, não é auto-suficiente. Por outro lado, a denominação, ao longo do tempo, somente será saudável na medida em que também forem nossas congregações locais. O que podemos fazer para que nossa congregação local seja saudável?

Crescente Burocracia

Se eu fosse o diabo, criaria mais administradores e níveis de administração. Na verdade, criaria empregos assalariados na igreja com o maior número possível de funcionários, desviando assim o objetivo da missão. Eu os colocaria em escritórios, os cobriria de papéis e os inundaria de reuniões e comissões. E se isso não fosse o bastante, eu os promoveria para os tão chamados níveis mais altos e cada vez mais os afastaria do contato direto e alimentador com as pessoas que fazem a igreja. Agora, não me entendam mal. Eu acredito na organização da igreja. Mas também acredito em comida, e sei que o exagero de coisas boas é prejudicial. Muitos adventistas acreditam que deveríamos reduzir o número de cargos administrativos para que pudéssemos lutar na linha de frente com mais dinheiro e energia. Muitos adventistas estão cansados de pagar uma conta massiva para um sistema de multicamadas.

No Concílio Anual ocorrido no Brasil em 1999, mostrei que não existe uma igreja no mundo com tantos níveis administrativos para manter como o adventismo. Quando o artigo foi publicado na Revista Adventista, o editor quis adicionar “exceto o Catolicismo Romano”. A minha resposta foi para que se adicionasse: “inclusive o Catolicismo Romano”. O Catolicismo Romano tem apenas 2 níveis acima da congregação local, enquanto o adventismo tem 4. Nosso sistema foi criado na época da carroça puxada a cavalo, antes da total disponibilidade do telefone. O desafio para a igreja no século vinte e um será uma reorganização, levando em consideração os meios modernos de transporte e comunicação.

Estou terminando de escrever um livro sobre a história da organização da igreja adventista no mundo, onde sugiro um modelo de 3 camadas, totalmente reestruturado, e arranjado de tal forma a captar as vantagens de uma igreja mundial, e ao mesmo tempo em condições de prover para as iniciativas locais. Cada vez mais os adventistas estão se dando conta de que existem outras maneiras de estruturar a igreja num mundo pós moderno, para que mais mão de obra e dinheiro fiquem disponíveis para finalizar a obra de Deus na terra. Dinheiro em demasia, pensam muitos, está sendo usado para mover o mecanismo, como se o mecanismo fosse um fim nele mesmo. Muitas das oportunidades potenciais do futuro dependem de uma bem sucedida reestruturação, de maneira a disponibilizar estes recursos. Esta tarefa talvez seja um dos maiores desafios com o qual nos depararemos ao se iniciar o século vinte e um.

Espírito Santo

Se eu fosse o diabo, faria com que os adventistas ficassem com medo do Espírito Santo. Muitos de nós tememos o pentecostalismo quando se trata do Espírito Santo. Precisamos nos lembrar o que a Bíblia nos ensina acerca da necessidade do Espírito Santo no trabalho cristão. Ellen White também nos ensinou que ao recebermos o Espírito Santo, recebemos juntamente outras bênçãos.

Alguns anos atrás, em uma reunião da Conferência Geral, notei que a igreja adventista não acredita realmente em suas 27 doutrinas. Especialmente naquela sobre os dons espirituais. Nós acreditamos em um dom espiritual, mas não nos dons espirituais, e em maioria, restringimos este dom a uma única pessoa, que já repousa em seu túmulo há 85 anos. O que aconteceria se eu recebesse o dom de línguas hoje, agora, durante este sermão? Ou o dom de profecia? Com certeza se formaria uma comissão especial para estudar a situação durante os próximos 10 anos. Tenho que admitir que só de falar a respeito me deixa nervoso, pois é impossível se controlar o Espírito.

Nós temos a promessa em Joel 2 do derramamento do Espírito Santo nos últimos dias, derramamento este que provavelmente dividirá a igreja no meio. Com que freqüência meditamos a respeito do Espírito Santo e derramamento da chuva serôdia? Será que estamos tão concentrados em alvos, estruturas e comportamento humano que esquecemos do poder atrás de cada um deles? Que atitudes podem ser tomados para permitir que o Espírito Santo ocupe Seu próprio lugar dentro do adventismo? Ou esperamos completar nossa obra sem Sua presença perturbadora?

Jogo dos Números

Se eu fosse o diabo, encorajaria nossa denominação a continuar com o jogo dos números. A pior coisa que já aconteceu com os adventistas foi aprender a contar. Nós contamos igrejas, instituições, dinheiro, e tudo mais. Os números têm seu lugar, mas pouco haver com a realidade da finalização da obra. Um resultado do jogo dos números é que tendemos a colocar a maior parte do nosso dinheiro em locais onde podemos obter mais batismos por menos dinheiro . Isto significa que não temos dado a devida atenção àquelas partes do mundo mais difíceis de serem alcançadas. Na Divisão Norte Americana o grupo mais difícil de ser evangelizado é o de caucasianos ( brancos). Alguns anos atrás, escrevi uma carta ao presidente desta Divisão dizendo que se não nos empenharmos mais em um evangelismo criativo, que satisfaça esse grupo, em 50 anos o grupo mais difícil de ser alcançado será o de brancos norte-americanos.

O problema dos números toma diferentes configurações em várias partes do mundo, mas deve ser levado em plena consideração quando fizermos nossos planos para alcançar filhos de Deus. Se eu fosse o diabo, levaria os adventistas a esquecerem sua herança apocalíptica. O adventismo nunca se viu como uma denominação qualquer, mas sim como um movimento de profecia, com suas raízes em Apocalipse 10 – 14. É esta crença no adventismo como um povo especial chamado para levar a mensagem, que tem levado a igreja aos confins da Terra. Se esta crença acabar, o adventismo se tornará apenas mais uma denominação com algumas diferenças dentre as outras religiões.

Nossa maneira de lidar com a mensagem apocalíptica nos planos futuros determinará se o adventismo continuará a ser um movimento ou se transformará em um monumento do movimento, e eventualmente um museu do movimento. Já que estamos no assunto do Apocalipse, é importante nos dirigirmos ao povo de nossos dias. As pessoas não se interessarão pelo advento ouvindo falar que houve um grande terremoto em Lisboa em 1755, ou sobre a queda das estrelas em1833.

Não há nada errado em apresentar a história de nossa igreja para as pessoas. Elas podem até ser tocadas por estes fatos, mas é de maior importância que elas vejam os acontecimentos apocalípticos que estão em andamento em nossos dias.

Se eu fosse o diabo, faria os adventistas acreditarem que suas doutrinas são todas de igual importância. Quando a verdade é que o centro do cristianismo é ter uma relação salvadora com Cristo. Esta relação com Cristo não se iguala a abstenção da carne de porco por exemplo. Tenho conhecido vegetarianos e guardadores do sábado que são mais cruéis que o próprio diabo. A igreja precisa identificar dentro de suas crenças o que é primário e central e o que é secundário.

A Bíblia é clara em dizer que o cristianismo genuíno vem de uma relação salvadora com Jesus Cristo. É muito fácil ser um adventista sem ser um cristão. No programa adventista de alcançar almas, a centralidade de Cristo deve ser deixada clara como o cristal .

O desafio é estruturar nossas técnicas conscientemente, para que as pessoas se tornem cristãs e conseqüentemente adventistas, pois o adventismo sem cristianismo é vazio e sem significado.

Desentendimentos

Se eu fosse o diabo, faria com que os irmãos começassem a se desentender. Qualquer assunto serviria: Formas de culto, teologia, formas de vestuário, etc. Afinal, se eles estivessem atingindo uns aos outros com sua munição, não acertariam nada em mim.

O diabo tem sido vitorioso nesta estratégia. O que pode ser feito para encontrarmos e vencermos o verdadeiro inimigo?

Se eu fosse o diabo, faria com que os adventistas começassem a raciocinar de forma tribal, nacional e racial. Faria da igreja uma grande discórdia, indiferente para com a missão. Reconheço que existem injustiças que precisam ser analisadas e situações complexas difíceis de serem solucionadas. Minha súplica é que nas situações mais difíceis e injustas nos comportemos como irmãs e irmãos nascidos em Cristo, em condições de discutir os assuntos sem perder de vista a missão da igreja. O adventismo precisa desenvolver mecanismos para enriquecer e iluminar seu multiculturalismo e internacionalismo.

Finalmente, se eu fosse o diabo, faria com que os adventistas ficassem entediados durante o sábado. Eu pergunto: O que os adventistas preferem? O pôr-do-sol de Sexta-feira, ou o pôr-do-sol de sábado? Muitos de nós agimos como se o sábado fosse a pena por sermos adventistas, e não um sinal de nossa salvação e a maior bênção da semana. Esta atitude desafortunada está presente em muitas de nossas igrejas. Já estive em igrejas adventistas nas quais não fui sequer cumprimentado. Não querendo que os irmãos se sentissem mal, não disse nada. Só que eles não sabiam que eu era o pregador naquele dia. Então, durante o sermão perguntei: “Se vocês não fossem membros da igreja adventista do sétimo dia, e estivessem visitando esta igreja, voltariam algum dia?” Eu certamente jamais voltaria.

É necessário muito mais do que apenas doutrinas para encher uma igreja. Precisamos de Jesus. Bem, já cansei de brincar de diabo. Aonde entra Deus em tudo isto?

Se eu fosse Deus, encorajaria os adventista do sétimo dia a pensarem, planejarem e agirem de maneira a combater os planos do inimigo. Os encorajaria também a multiplicar o poder das bênçãos e a encarar os desafios de maneira honesta e cristã e ainda,a concentrar suas energias em maximizar suas oportunidades. O sucesso não vem por acaso. É o produto de planejamento e ação.

Para terminar, gostaria de agradecer à Conferência Geral pela chamada para o significante pensamento e discussão sobre as cinco janelas da igreja. Você sabe, isso é uma operação perigosa. Eu não tenho certeza se você sabe disso ou não. Uma coisa é tirar as minhocas da lata ; e outra é fazer com que elas retornem. A tarefa hoje é para cada um de nós e teremos a oportunidade de fazer uma lista do que ele ou ela considera ser grandes oportunidades para a igreja hoje e os grandes desafios na medida em que ela espera completar sua missão no século vinte e um.

_________________________
GEORGE KNIGHT apresentou este sermão na Conferência Geral de 2000 em Toronto.

Tradução: Dra.Silma de Almeida Santos e Valmor Artur Goetz Santos.

Fonte: Adventismo em Foco

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s