Evidência ciêntifica da antiga existência de humanos gigantes gilberto Theiss

Posted: 7 de Dezembro de 2010 by mundomaranatha in Ciência
No leito do Rio Paluxy, perto do Glen Rose, Texas EUA, foram descobertas impressões distintas e perfeitamente conservadas de patas de dinossauros. Na mesma camada geológica, bem ao lado da impressão deixada pela pata do dinossauro, havia outra, proveniente de um pé humano. Parece até que o homem teria perseguido o dinossauro. Sem dúvida aquele ser humano avistara um dinossauro vivo! Este aparecimento simultâneo do homem mais o dinossauro, não cabe na teoria de Darwin. Todavia, como a teoria de seleção opera com seus casos repetidos por bilhões de vezes, também o achado dessas impressões poderia ser considerado como um acaso, e engraçado até, se fosse o único existente. Porém não é.
Acontece que o Dr. C.N. Dougherty comprovou, de maneira incontestável que, no “vale dos gigantes”, no Texas, há centenas de vestígios de patas de dinossauros das mais variadas espécies, ao lado e entre esses vestígios sempre aparecem as marcas de gigantes pés humanos. Os cientistas costumam lançar hipóteses, bases não comprovadas, e depois vão realizando experiências. Assim precedem até obter resultados que lhes permitam a repetição da experiência bem sucedida, ou redundem em palhas, a ponto de abandonarem sua hipotese. Provas de Daniken Pág. 236.
A seis quilômetros de safita, Siria, arqueólogos escavaram cunhas pesando 3,8 kg. São igualmente respeitáveis as cunha encontradas em Ain Fritissa, no leste marroquino, medindo 32 cm de comprimento, 22 cm de largura e pesando 4,2 kg cada. Calculou-se que as pessoas manipulando aqueles cunhas devem ter tido a altura nada desprezível de 4 metros. (Fonte: Provas de Daniken, Pág. 245). Na Austrália, esses vestígios fósseis de um pé gigante foram encontrados pelo Dr. Rex Gilroy, diretor do “Mount York Natural History Museum”.
Weidenreich e o Prf. Denis Saurat, ambos obedecendo a linha de boa conduta científica, publicaram em suas obras os resultados de suas pesquisas sobre a existência, outrora, de gigantes. Qualquer dúvida a respeito desses estudos aprofundados não seria apenas injusta, mas imprópria. Com base em tais documentos, o Dr. Louis Burkhalter, ex-delegado francês da Sociedade de Pré-História, escreveu, em 1950, na Revue du Mesée de Beyrouth: “Queremos deixar claro que a existência de seres humanos gigantescos, na época acheuliana* deve ser considerada como um fato ciêncificamente garantido”.

O que a Bíblia pode dizer a respeito?

“Havia naqueles dias gigantes na terra”. Gênesis 6:4.
A descrição bíblica refere-se ao período pré diluviano. Afirma-se que os homens e mulheres que viviam no período do Éden até o período pré diluviano, eram maiores em estatura. Muitos homens e mulheres chegavam a uma estatura aproximada de quatro metros, como comprovada por pegadas e cunhas encontradas por arqueólogos. Segundo o comentário bíblico, “ao sair o homem das mãos do Criador era de elevada estatura e perfeita simetria. O rosto trazia a rubra coloração da saúde, e resplendia com a luz da vida e com alegria. A altura de Adão era muito maior do que a dos homens que hoje habitam a Terra. Eva era um pouco menor em estatura; contudo suas formas eram nobres e cheias de beleza”. Patriarcas e Profetas, págs. 44 e 45. Semelhante descrição é dada a Sete filho de Adão. “Sete era de estatura mais nobre do que Caim ou Abel, e parecia-se muito mais com Adão do que os demais filhos.” C.T, 38

Também há descrições de elevada estatura de homens que viveram no período da conquista de canaã pelo povo de Israel. Quando chegaram as fronteiras de canaã, Moisés havia enviado doze espias para colher informações das terras e de seu povo. Dez dos espias voltaram trazendo informações de que seria impossível tomar as terras e batalhar contra o exército daquelas terras por causa da elevada estatura dos homens que ali habitavam. “Todo o povo que vimos no meio dela são homens de grande estatura. “Também vimos ali gigantes, filhos de Enaque, descendentes dos gigantes; e éramos aos nossos olhos como gafanhotos, e assim também éramos aos seus olhos.” Núm. 13:31-33. PP, 389”. “Os habitantes desta terra, descendentes de uma raça de gigantes, eram de estatura e força maravilhosas, e tão notados pela violência e crueldade que eram o terror de todas as nações circunvizinhas; e isto ao mesmo tempo em que Ogue, rei do país, era notável pela estatura e proezas, mesmo em uma nação de gigantes.” HR, 158.
A bíblia ainda nos esclarece que um dos filhos de Jessé, Eliabe era de estatura elevada e isso foi o que confundiu o profeta Samuel em seu julgamento para escolher qual seria o Rei de Israel substituto de Saul. PP, 638. I Samuel 16:6,7. Por uma questão de lógica, não é difícil entender que se os homens eram gigantes ou de estatura bem elevada, porque não seriam também os animais? Uma vez que eles estavam vivendo aos cuidados do homem? “Os pacíficos animais, em feliz inocência, brincavam em torno de Adão e Eva”. Signs of the Times, 11 de junho de 1874. Até mesmo por uma questão bíblica, essas pegadas encontradas de possíveis dinossauros com pegadas humanas, na pior das hipóteses tornam válidas as descrições bíblicas de que homens e animais gigantes viveram juntos no período pré diluviano e que pegadas e vestígios geológicos encontrados em vários cantos do mundo evidenciam a versão bíblica da história passada.
Portanto se a versão bíblica é coerente, porque os homens e mulheres são tão pequenos comparando-os principalmente com os antediluvianos? Porque existe hoje pessoas de estatura tão baixa? Qual seria algumas das razões dessa condição de decadência física? Ellen White, renomada escritora cristã e teóloga, a esse respeito escreveu: “Tem-me sido apresentada a deplorável condição do mundo no tempo atual. Desde a queda de Adão, a humanidade tem estado degenerando. Foram-me reveladas algumas das razões da lastimável condição atual de homens e mulheres formados à imagem de Deus… Deus não criou o gênero humano em sua presente condição debilitada. Este estado de coisas não é obra da Providência, mas, do homem; e tem sido ocasionado por maus hábitos e abusos, pela violação das leis que Deus estabeleceu para governar a existência humana. Cedendo à tentação de satisfazer o apetite, Adão e Eva caíram originalmente de sua condição elevada, santa e feliz. E é por meio da mesma tentação que os homens se têm debilitado. Eles têm permitido que o apetite e a paixão ocupem o trono, mantendo em sujeição a razão e o intelecto. A violação da lei física e sua conseqüência – o sofrimento humano – têm prevalecido por tanto tempo, que homens e mulheres consideram o presente estado de doença, sofrimento, debilidade e morte prematura, como a sorte destinada aos seres humanos. O homem saiu das mãos do Criador perfeito e belo na forma, e de tal modo dotado de força vital que levou mais de mil anos para que os corruptos apetites e paixões, bem como a geral violação da lei física, fossem sensivelmente notados. As gerações mais recentes têm experimentado a pressão da debilidade e da doença mais rápida e rigorosamente a cada geração. As forças vitais têm sido grandemente enfraquecidas pela condescendência com o apetite e as paixões da concupiscência.” CSE, Pág. 09.

O homem condicionado ao pecado, especialmente no que diz respeito a transgressão das leis da saúde, tem sido o grande causador dessa decadência física. “Adão e Eva no Éden eram nobres em estatura e perfeitos em simetria e beleza. Estavam sem pecado e em perfeita saúde. Que contraste com a humanidade agora! A beleza perdeu-se. A saúde perfeita é desconhecida. Por toda parte vemos doenças, deformidade e imbecilidade..” CRA, 145.

Até quando essa decadência prevaleceria?

Para os que não são céticos, existe uma promessa de restituir homens e mulheres em sua estatura original. Esta decadência não permanecerá por muito tempo mais. Enquanto Jesus não retornar haverá maior fragilidade fisica resultante do pecado e das transgressões das leis da saúde. Mas após a 2º vinda de Cristo a este mundo, todos os salvos ressuscitarão em sua estatura comum a qual desceram a sepultura, mas ao longo dos mil anos todos crescerão a estatura original. “Todos saem do túmulo com a mesma estatura que tinham quando ali entraram. Adão, que está em pé entre a multidão dos ressuscitados, é de grande altura e formas majestosas, de estatura pouco menor que o Filho de Deus. Apresenta assinalado contraste com o povo das gerações posteriores; sob este único ponto de vista se revela a grande degeneração da raça. Todos, porém, surgem com a vivacidade e o vigor de eterna juventude. … Restabelecidos à árvore da vida, no Éden há tanto tempo perdido, os remidos crescerão (Mal. 4:2) até à estatura completa da raça em sua glória primitiva”. O Grande Conflito, págs. 644 e 645.

* Acheuliana: Civilização paleolítica, que prevaleceu durante a maior parte da Era Glacial.

Gilberto Theiss autor do Livro Acendendo a luz da verdade, foi estudante de Teologia na turma do primeiro ano de 2002 no Seminário Adventista Latino Americano de Teologia e no momento cursa história no centro Universitário das faculdades Fafig e Faceg de Guaxupé.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s