Jesus: O Mestre do Evangelismo !

Posted: 27 de Janeiro de 2011 by mundomaranatha in Sem categorias

Quantcast

A história do evangelismo começou com o nascimento de Jesus, como está descrito nos evangelhos. A encarnação demonstrou o coração evangelístico de Deus. Ele veio à terra para ser tanto a mensagem como o mensageiro. O anjo que apareceu a Maria ordenou-lhe que desse ao recém nascido o nome de Jesus, “porque ele salvará o seu povo dos pecados deles” (Mt 1:21). Este artigo descreve como Deus preparou o mundo para receber Cristo, quando Ele nasceu em Belém, cerca do ano 4 A.C.; bem como algumas metodologias de evangelismo usadas por Jesus e uma sugestão de como implementar a comissão de Jesus.

Jesus e o Preparo para o Evangelismo

Gálatas 4:4 diz que “vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou Seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei.” Três diferentes nacionalidades desempenharam um papel importante na preparação do mundo para o nascimento de Jesus: os gregos, os romanos e os judeus:

1. Os gregos prepararam o mundo mediterrâneo através da difusão de sua língua e cultura. Quando os exércitos de Alexandre o Grande invadiram o Oriente Médio, nos anos 334-323 a.C, Alexandre não apenas cumpriu seus sonhos de conquista, mas seu desejo de ensinar a cultura e língua grega aos povos daquela região. Os gregos também transmitiram ao mundo mediterrâneo o interesse pela sabedoria e o aprendizado. Filósofos como Sócrates, Platão e Aristóteles exemplificaram o amor pela verdade e a importância de buscá-la. Essa abertura a novas idéias foi útil aos evangelistas da Igreja Primitiva.[1]

2. Os romanos prepararam o mundo para o nascimento de Jesus através do estabelecimento da paz em toda região do mediterrâneo. A pax romana (“paz de Roma”) não apenas providenciou uma atmosfera de segurança e ordem para que a Igreja Cristã pudesse se desenvolver, mas tornou as viagens mais seguras para os missionários e evangelistas.[2]

3. Os judeus prepararam o mundo de várias maneiras. Primeiro, eles estabeleceram sinagogas em quase todas as grandes cidades do Mediterrâneo. Essas sinagogas se tornaram centros de ensino que beneficiavam não apenas os judeus da comunidade, mas também atraíam a atenção dos gentios. Segundo, os judeus prepararam o mundo pela disseminação do Velho Testamento na região. Quando o V.T. foi traduzido para o grego, os judeus proclamaram sua crença em um único Deus (monoteísmo) e na vinda do Salvador (o Messias) que estabeleceria o reino de Deus na terra.[3]

Jesus e os Métodos de Evangelismo

Jesus praticou o evangelismo em massa ou a pregação pública. A pregação era uma tarefa importante no evangelismo de Jesus. De fato, muitos do povo O chamavam de profeta[4] (Mt 21:11; Lc 24:19). Ele era um pregador e não um escritor. Sua mensagem era sucinta: “o tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo; arrependei-vos e crede no evangelho” (Mc 1:14-15). Embora o Senhor demonstrasse um equilíbrio no tríplice ministério de ensinar, curar e pregar (Mt 4:23), Ele mesmo afirmou que veio primariamente para pregar (Mc 1:38). E como Jesus praticou o evangelismo?

a) Ele enfatizou a prioridade do evangelismo ao ensinar que a salvação é a coisa mais importante do mundo. Suas parábolas da pérola de grande preço e do tesouro escondido no campo ilustram esse princípio (Mt 13:44-46).

b) Ele treinou seus discípulos para a evangelização. Antes de dar a Grande Comissão, Jesus enviou os doze e os setenta para pregar (Mt 10 e Lc 10). Robert Coleman sugere sete etapas no método usado por Jesus: seleção, associação, ensino, demonstração, delegação, supervisão e multiplicação.[5]

c) Ele praticou um estilo de vida evangelístico. Há pelo menos quarenta relatos nos evangelhos de pessoas evangelizadas por Jesus. O estudo desses casos revela que Ele aproveitou todas as oportunidades e adaptou Sua apresentação a diferentes audiências. Ainda assim, Ele não alcançou todos os que desejava ganhar.

d) Ele ordenou a Grande Comissão de fazer discípulos através do evangelismo. Cada narrativa dos evangelhos e no livro de Atos tem como base a Grande Comissão (Mt 28:19-20; Mc 16:15; Lc 24:47-48; Jo 20:21; At 1:8).

Cumprindo a Comissão de Jesus

Uma maneira de cumprir a comissão de Jesus é organizar eventos evangelísticos de colheita (igreja local) ou séries mais extensas para plantar uma nova igreja. Uma campanha evangelística não começa nem termina quando o evangelista prega a primeira e a última mensagem. Um programa bem sucedido é planejado meses antes do primeiro sermão e se prolonga por meses depois que o evangelista deixou de apresentar-se em público. A seguir apresentaremos uma seqüência de importantes passos a serem considerados para o bom êxito de um esforço evangelístico:

1. Escolha do lugar: pode ser que um campo local deseje fortificar a obra em certo lugar, ou que se queira abrir obra nova.

2. Consenso favorável: deve-se desejar que haja um consenso favorável com respeito à escolha do lugar por parte do campo local, do evangelista, do pastor e das igrejas.

3. Planejamento: uma vez escolhido o lugar e conhecido pelo evangelista, este traça os planos provisórios da campanha. Tais planos incluem a estratégia da campanha, a duração, o lugar sugerido para as conferências, o temário, a equipe, o plano de preparação do terreno, os materiais necessários, o programa de treinamento e o calendário de eventos da campanha (batismos, datas, e programas).

4. Discussão e aprovação dos planos: o evangelista submete os planos ao campo local. Discute-se o mesmo e são feitas sugestões para melhorá-lo. Os planos são apresentados aos pastores envolvidos e são ouvidas suas sugestões. O mesmo se faz com os líderes da igreja.

5. Grande convocação missionária: os planos aprovados são comunicados detalhadamente aos membros do distrito ou campo local a fim de que haja a participação de todos.

6. Preparação espiritual da igreja: deve-se criar um ambiente de comprometimento da igreja. Se na campanha participam pregadores leigos, é necessário capacitá-los com antecedência. Também se faz necessário capacitar os que preparam o terreno e os que formam as equipes.

7. Nomeação e treinamento das equipes: pelo menos dois meses antes, nomeiam-se as equipes que atuarão como suporte da campanha (recepcionistas, música, equipamentos, preparo do terreno, dentre outras). Também se faz necessário capacitar essas equipes de serviço, explicando-lhes detalhadamente suas responsabilidades.

8. Preparação do terreno: a maioria das campanhas é de colheita, mas uma colheita bem sucedida deve ser precedida por um esforço de semeadura, e esta se faz com meses de antecedência pela equipe ou pela igreja local. O ideal é que, no início das conferências, haja centenas de pessoas quase totalmente instruídas na verdade e praticando a maior parte das doutrinas. Então as conferências recapitulam a verdade e conduzem as pessoas à decisão

9. Propaganda: interna (Operação André) e externa (convites, rádio e tv, outdoors, etc).

10. A série de conferências: deve ter duração apropriada e ser acompanhada por uma classe bíblica.

11. Continuidade do processo de discipulado por meio de um programa de conservação enquanto se decide o local da nova igreja.

12. Avaliação: devem-se avaliar os pontos altos da campanha, os métodos e as idéias que deram bons e maus resultados, o desempenho da equipe, a adequação dos temas e devem-se fazer recomendações para o futuro.

Concluindo, Jesus iniciou Seu ministério desafiando os discípulos a se tornarem “pescadores de homens” (Mc 1:17). E Ele concluiu o ministério terrestre relembrando-lhes sua responsabilidade (At 1:8). E o que Ele espera de nós hoje? Grandes projetos de construcões, grandes servicos de louvor ou bem elaborados cursos de discipulado? Tudo isto é nobre e vital. Mas Seu desejo é que nos tornemos testemunhas: algo que todos podem fazer.

Referências

[1] Henri Daniel-Rops, Daily Life in the Time of Jesus (Ann Arbor, MI: Servant Books, 1980), p.51-79.

[2] Ibid.

[3] Arthur G. Plaza. The Emergence of the Church: Context, Growth, Leadership & Worship (Downers Grove, IL: InterVarsity Press, 2001), p. 27-54.

[4] O dom de profecia consiste em falar com autoridade para Deus, tanto na predicão de eventos futuros quanto de fatos do presente. Ver Seventh day Adventist Bible Commentary, Vol. 6, p. 771.

[5] Robert E. Coleman. The Master Plan of Evangelism (Old Tappan , NJ : Fleming H. Revell, 1972).

Texto de autoria de Emílio Abdala, publicado no site Missões Urbanas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s